Blog

  • O Predador – E aí?

    14 de setembro de 2018

    O Predador – E aí?

    O Predador – E aí?

    O Predador é um dos vilões mais icônicos do cinema, e vira e mexe temos algum filme com ele envolvido (seja caçando humanos ou digladiando com xenomorfos). E a nova empreitada do alien com dreadlocks estilosos estreou ontem aqui no Brasil. Mas ele repete o primeiro filme ou fica no limbo de qualquer uma das sequências desde então?

    Shane Black, que era um dos homens da equipe de Schwarzenegger no clássico de 1987, dirige essa tentativa de retorno do personagem a algo mais próximo do que ele era lá atrás. O filme tem momentos violentos como nenhum antes dele (inclusive a censura dele por aqui é de 18 anos), mas infelizmente ele acaba se perdendo em alguns momentos. Muito potencial, um elenco digno de nota (Boyd Holbrook, Olivia Munn, Thomas Jane, Jacob Trembley, Alfie Allen e Sterling K. Brown), cenas de ação muito boas. Porém a história se perde em algum momento, mas não tira a diversão do filme.

    Boyd Holbrook é Quinn McKenna, um atirador de elite que se vê envolvido na queda da nave de um Predador e tem sua equipe dizimada. Para ter provas do caso ele envia tecnologia do alien para casa, e seu filho Rory (Jacob Trembley) acaba abrindo o pacote. O Predador é capturado pela Stargazer, uma organização que estuda o alien há décadas, e liderada por Traeger (papel de Sterling K. Brown). Eles chamam a doutora Casey Bracket (Olivia Munn) para examinar o bichão, totalmente sedado. Porém ele acaba fugindo, e tem início aí uma disputa entre a Stargazer, a “equipe” de Holbrook (formada por Trevante Rhodes, Thomas Jane, Alfie Allen, Keegan-Michael Key e Augusto Aguillera, além da adição de Olivia Munn) e o Predador, que vai atrás de sua tecnologia que está nas mãos de Rory.

    Holbrook se esforça, mas não tem o carisma de Schwarzenegger para segurar o filme como grande herói. Olivia Munn tem vários momentos muito badass, mas acho que ainda podia ter sido melhor utilizada. O resto da “equipe” de Holbrook durante o filme é pra lá de interessante, com uma galera maluca (digno de nota Thomas Jane com síndrome de Tourette) que segura muito bem as pontas, mas o antagonista humano (Sterling K. Brown) acaba sendo eclipsado pelo alienígena.

    Numa análise ampla o filme é divertido, dá um gancho enorme para sequência, mas poderia ser muito melhor. Ele pode não estar no nível do primeiro filme, mas ainda considero ele um tanto melhor que os filmes que vieram entre os dois. E concordo com uma fala do Roberto Sadovski: que falta faz Schwarzenegger no filme. Sobre isso um adendo: Shane Black sondou o astro para voltar ao papel original, mas como seria apenas uma ponta Schwarzza optou por focar no novo Exterminador do Futuro.

    Postado por Will Sparrow

    Avatar do Caos, otaku da velha guarda, brony nas horas vagas.