Blog

  • Cinema: Arte vs Entretenimento

    28 de novembro de 2019

    Cinema: Arte vs Entretenimento

    Josh Trank, diretor do malfadado reboot de “Quarteto Fantástico”, se uniu ao coro de diretores que criticaram publicamente a Marvel (sempre lembrando de Martin Scorsese e Francis Ford Coppola). Trank, em dois tweets, deixou claro que “O Irlandês”, novo filme de Scorsese, é muito superior a qualquer coisa que a Marvel já fez. “Assistindo a O Irlandês. Os primeiros 5 minutos tem mais humanidade, verdade e intriga cinematográfica do que toda a duração de cada um dos filmes da Marvel combinados, hahahahahaha. Desculpa, fatos. PS: Desculpa coisa nenhuma.”. Ele também fez comentários indiretos a Coringa, filme da Warner/DC que vem batendo recordes de bilheteria. “Minha mãe quer que eu pare de tweetar. Boa noite, pessoal. PS: Deem uma olhada em “O Rei da Comédia” de Todd Phillips. Jerry Lewis!”

    O fato é que não sou eu quem vou ficar falando o que essa galera deveria fazer da vida ao invés de atacar de graça os filmes dos outros. Mas o que esses diretores aparentemente têm como ideia fixa é que filmes são apenas obras de arte. Mas cinema é, além disso, entretenimento. Então a Marvel conseguiu, em seus filmes dentro do MCU, fazer entretenimento de primeisíssima qualidade com a Saga do Infinito, culminando num evento histórico que foi “Vingadores: Ultimato”, filme que finalmente destronou “Avatar” do topo da bilheteria mundial.

    Com isso eu venho dizer o que penso. É possível você gostar de filmes ditos cult (como os sempre mais comentados “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” e “Donnie Darko”) e também curtir um blockbuster pipoca como os filmes da Marvel, DC e outros tantos que existem. Você não precisa ser um cult chato, que só pensa em cinema francês, ou um anti-cult que abomina qualquer coisa que não sejam as comédias (ultra repetitivas) de Adam Sandler e a franquia “Velozes e Furiosos”. É possível você não ser apenas um chato e discutir as diversas teorias que envolvem desde se o peão caiu ou não em “A Origem” ou até o quanto os acontecimentos que ocorrem com Arthur Fleck em “Coringa” são reais ou apenas alucinações, e depois se divertir falando das cenas épicas como a batalha final de “Vingadores: Ultimato” ou cenas surreais como The Rock desviar um torpedo com as mãos nuas em “Velozes e Furiosos 8”.

    P.S.: enquanto eu escrevia esse texto Josh Trank, aparentemente, APAGOU SUA CONTA NO TWITTER. E até agora só consegui um print do primeiro tweet. Se eu encontrar do outro atualizo aqui!

    Postado por Will Sparrow

    Avatar do Caos, otaku da velha guarda, brony nas horas vagas.