Blog

  • Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald – Uma Segunda Crítica

    16 de novembro de 2018

    Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald – Uma Segunda Crítica

    Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald – Uma Segunda Crítica

     

    No texto anterior eu foquei muito na parte técnica do filme, falando das atuações ou do visual (deslumbrante em alguns momentos) de Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald. Mas agora é preciso falar sobre o roteiro. E esse é o calcanhar de Aquiles desse filme.

    J.K. Rowling é uma escritora de renome, e tem no universo de Harry Potter uma grande qualidade, tanto que os filmes e os livros foram máquinas de fazer dinheiro quando lançados, e os são até hoje. O problema é que aparentemente ela agora só enxerga isso mesmo: dinheiro.

    Rowling e sua carta-armadilha.

    Quando um simples livro como Animais Fantásticos e Onde Habitam, escrito pelo magizoologista Newton “Newt” Scamander (imagino ser o livro de cabeceira de Hagrid) acabou virando um filme inicialmente de como Newt resolveu escrever esse livro e acaba entrando numa baita enrascada (e numa bela aventura) teve seus muitos méritos, pois tínhamos ali uma expansão do universo de Harry Potter, e com um potencial bacana de boas histórias. Mas Rowling vem para o segundo filme e simplesmente liga seu modo que eu chamo de carta-armadilha, onde ela aparentemente espalhou isso na sua vida e vem insistindo que “nunca disse que não (insira aqui alguma informação nunca antes dita nos sete livros)”. Enquanto estava apenas no Twitter ok, a galera ou relevava ou só pistolava e deixava pra lá. Mas nesse novo filme ela resolveu elevar a brincadeira com furos históricos (a não ser que ela explique a professora em Hogwarts) e um final simplesmente inesperado (e na minha opinião pra lá de discutível). Em vários momentos do filme ela parecia incansavelmente jogar easter eggs na tela para tapar alguns furos no roteiro um tanto raso e um pouco confuso, que serviu mais para colocar na mesa os jogadores para a futura batalha contra Geralt Grindelwald e seus seguidores, mas sem se preocupar muito em como isso seria feito.

    Eu assisti duas vezes ao filme para conseguir dizer isso com o mínimo de propriedade, então meu veredito final: é um filme bom se você é fã, mas que pra alguém que apenas gosta do universo de Harry Potter ou tenta achar algo mais ele acaba sendo um tanto falho, mesmo com um visual belíssimo e atuações que considero boas (mesmo de Johnny Depp, que muita gente criticou). O que podemos fazer agora é esperar que Rowling corrija alguns de seus próprios erros e consiga explicar suas escolhas no próximo filme (apesar de Rowling ter dito em 2016 que os planos eram de cinco filmes).

    Postado por Will Sparrow

    Avatar do Caos, otaku da velha guarda, brony nas horas vagas.